sábado, 8 de setembro de 2012


 

A cara da Justiça

Ficou difícil falar em Justiça, hoje, sem vinculá-la a jornalismo, política, ministros, escândalos, sensacionalismo.
Não que tais conceitos se coadunem. Ao contrário. À única exceção dos Ministros, que deveriam ser verdadeiros arautos da Justiça, na mais completa acepção da palavra, os demais estão muito distantes do que seja, verdadeiramente, a Justiça.

Hoje, em qualquer círculo de amigos, seja entre jovens, adultos ou idosos, leigos ou técnicos, fala-se em justiça e imediatamente são evocados os escandalosos casos de corrupção e toda a sorte de inescrupulosos desvios de verbas públicas, licitações fraudadas,  campanhas políticas imorais, e seus desdobramentos quase sempre “culinários” (acabam em pizza).
Vivemos num mundo globalizado onde a transparência é a palavra de ordem.

E é em nome dessa transparência que o jornalismo se abebera dessa fonte inesgotável de sensacionalismo, instigando, questionando, pressionando e, de alguma forma, dando maior visibilidade a questões, infelizmente nem sempre expostas de todos os ângulos, nem sempre tratadas com imparcialidade.

Afinal, não lhes compete agir com Justiça. Mas lhes obrigaria, tanto quanto possível, fazer ecoar a verdade.
Do outro lado do jornalismo contundente, os políticos!

E será que esses profissionais da vida pública estão desempenhando bem suas funções? É certo que, definitivamente, não! Eu até poderia fazer concessões para algumas raríssimas e honrosas exceções. Mas, de tão raras, essas parcas agulhas se perdem num palheiro sem fim.
Destacá-las seria buscar com pinça um grão de areia sob uma montanha de escombros.  Afinal, o que mais se vê são politiqueiros procurando manipular a ignorância de um povo conduzido por uma educação precária, para ser manobrado ao sabor do poder.

E os Ministros? A esses, eu diria, incumbiria o nobre dever de zelar pela nossa Lei Maior, pelo Direito que, antes de ser nosso, ergue-se como alicerce  inabalável da convivência dos seres humanos em qualquer situação ou lugar.
Em seus pensamentos e palavras e, sobretudo, em seus julgamentos, teria que aflorar a Justiça, cristalina, inabalável e morna como um raio de sol que acalenta. Mas nem sempre é assim.

É que, entre eles e a Justiça, paira, cinza e etérea, como uma fumaça discreta que se espalha pela sala, a sombra da política que sustenta pastas e cadeiras e que acaba por pousar, de forma sutil ou não, sobre os julgamentos.
Mas Justiça e política são conceitos totalmente incompatíveis! Onde se faz Justiça não se faz política e vice-versa!

Reconheço que, por vezes, até podem, ocasionalmente, coincidir as duas coisas, mas não há como se vincular uma à outra, tal como a verdade e o jornalismo que deveriam caminhar de mãos dadas... mas nem sempre estão juntos e, muitas vezes, sequer próximos.
Assim, pairando num céu instável, repleto de nuvens que não deveriam estar lá, a Justiça se perde numa multidão de matizes e entonações, de escuridões enevoadas, e, muitas vezes, se desintegra, completamente,  no caos, como uma tempestade que desaba no desespero e na surpresa, arrastando sem dó tanto o lixo quanto as árvores, tanto a poeira quanto as casas.

E, depois, mesmo voltando o céu azul,  se precisa de muito tempo para lavar a sujeita toda que sobrou!.

                                                                           Linda Brandão Dias

                                                                                  06/09/2012

 

 

 

 

 

 

 

 

3 comentários:

  1. Tania Maria Moraes Bonan8 de setembro de 2012 19:59

    Oi prima queridaa! Gostei do blog! Mas, como em política somos água e vinho, seu blog pode virar uma sangria rsrsrs, Amo vcê, companheira de juventude e amiga eterna. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Amiga querida de tantos anos: finalmente conseguiu ter um tempo para terminar o desejado blog. Agora aguardarei as próximas realizações que sempre ficaram para depois, depois, depois... da magistrada incansável, competente, imparcial e conhecedora do nosso universo jurídico como poucos. Deixo aqui minha admiração e amizade eternas. Beijos. Lu.

    ResponderExcluir
  3. Cara Amiga, fico honrada em participar de seu Blog, e que voce consiga alcançar seus objetivos, todos os seus objetivos,com muito sucesso, saude e sabedoria. AH! Sabedoria, que não lhe falta, porque sua sabedoria tem origem do convivio humano, e esta sabedoria guardamos para sempre. Agradeço sua amizade que, gentilmente, você me permitiu desfrutar. Agradeço sua energia que, positivamente, muitas batalhas voce ganhou e ainda vem a ganhar,
    Agradeço sua força que, bravamente, você conseguiu lutando contra os males
    Agradeço ao seu coração por tudo que é, e Agradeço a Deus por conhecer pessoa tão ilustre e iluminada.
    Aproveite este espaço com toda a sabedoria que lhe é peculiar.
    Bjus.

    ResponderExcluir